Skip to content

O culto familiar I

29/02/2012

Fundamento teológico para o Culto Familiar

Cada igreja deseja o crescimento. Entretanto, surpreendentemente poucas igrejas procuram promover o crescimento interno da igreja empenhando-se na necessidade de educar crianças na verdade da aliança. Porque poucos se mantêm firme nisto, muitos adolescente se transformam em membros nominais com mera noção da fé ou abandonam a verdade evangélica para doutrinas e modalidades de adoração anti-bíblicas.

Eu acredito que uma das razões principais para esta falha é a falta de preocupação com o culto familiar. Em muitas igrejas e famílias a adoração em família é uma coisa opcional, ou, na maioria dos casos, um exercício superficial tal como uma breve oração à mesa antes das refeições. Conseqüentemente, muitas crianças crescem com nenhuma experiência ou impressão da fé cristã e culto familiar como uma realidade diária. Quando meus pais comemoraram seu 50o. aniversário, todos os cinco filhos decidiram expressar agradecimentos aos nossos pai e mãe sobre uma coisa sem se consultarem. Notavelmente, todos os cinco de nós agradeceram nossa mãe pela suas orações e todos os cinco de nós agradeceram nosso pai pela sua liderança no culto familiar das noites de domingo. Meu irmão disse, “Papai, a mais velha lembrança que eu tenho é das lágrimas que desciam do seu rosto enquanto nos ensinava do livro ‘O Peregrino’ nas noites de domingo sobre como o Espírito Santo conduz a crente. Aos 3 anos de idade Deus usou você no culto familiar para me convencer que o cristianismo era real. Não importa quão longe eu me desviei nos anos mais tarde, eu jamais poderia questionar seriamente a realidade do cristianismo, e eu quero agradecê-lo por aquilo.”

Veríamos o reavivamento entre nossas crianças? Recordemos que Deus usa frequentemente a restauração do culto familiar como porta para o reavivamento da igreja. Por exemplo, a aliança de 1677 da congregação puritana em Dorchester, Massachusetts, incluiu o compromisso “para reformar nossas famílias, comprometendo-se a guardar na consciência um cuidado em manter o culto a Deus nelas; e andando em nossas casas com corações perfeitos em uma diligente desobrigação de todos os deveres domésticos, educação, estudos, e de encarregar nossas crianças e empregados a guardarem os caminhos do Senhor”.

Ao alcançar os lares, então alcança as igrejas, então alcança as nações. Culto Familiar é o fator mais decisivo de como caminha o lar.

A adoração da família não é o único fator, naturalmente. A adoração da família não é um substituto para outros deveres paternos. A adoração da família sem o exemplo paterno é fútil. O ensino espontâneo que se levanta durante todos os dias é crucial, contudo, momentos específicos para o culto familiar são também importantes. A adoração da família é o fundamento para criar crianças leitoras da Bíblia.

Neste livreto, nós examinaremos a adoração da família sob cinco aspectos: (1) fundamentos teológicos, (2) dever; (3) execução; (4) objeções; (5) motivações.

As fundações teológicas da adoração da família são enraizadas no próprio ser de Deus. O apóstolo João diz-nos que o amor de Deus é inseparável de Sua vida triuna. O amor de Deus está fluindo e transbordando. Compartilha Suas bênçãos de uma pessoa da trindade à outra. Deus nunca tem sido um indivíduo solitário que falta algo em Si mesmo. A plenitude da luz e do amor é compartilhada eternamente entre o Pai, o Filho, e o Espírito.

O majestoso Deus triuno não se modelou após nossas famílias; Ao contrário, Ele modelou o conceito terreno de família depois dEle. Nossa vida familiar reflete fracamente a vida da Santa Trindade. É por isso que Paulo fala “Por esta razão dobro os meus joelhos perante o Pai, do qual toda família nos céus e na terra toma o nome” (Efésios 3:14-15). O amor entre as pessoas da trindade era tão grande que da eternidade o Pai determinou criar um mundo de povos que, embora finitos, teriam as personalidades que refletiram o Filho. Sendo conformados ao Filho, pessoas podiam então compartilhar da abençoada santidade e alegria da vida familiar da trindade.

Deus criou Adão a Sua própria imagem, e Eva de Adão. Deles veio a família humana inteira de modo que a humanidade pudesse ter comunhão com Deus na aliança. Como uma família de duas pessoas, nossos primeiros pais adoraram reverentemente a Deus enquanto andou com eles no jardim do Éden (Gênesis 3:8). 

Entretanto, Adão desobedeceu a Deus transformando a alegria da adoração e da comunhão com Deus em medo, espanto, culpa, e alienação. Como nosso representante, Adão desvinculou a relação entre a família de Deus e a família da humanidade. Contudo, o propósito de Deus não podia ser frustrado. Apesar de ainda assim eles permanecerem perante Ele no paraíso, Deus estabeleceu apartir daquele instante uma nova aliança, a aliança da graça, e disse a Adão e Eva sobre Seu Filho, como aquele que da semente da mulher quebraria o poder de Satanás sobre eles, e para assegurar-lhes as bênçãos desta aliança da graça (Gênesis 3:15). Com a obediência de Cristo à lei e o Seu sacrifício para o pecado, Deus abriu o caminho para salvar pecadores ao satisfazer a Sua justiça perfeita. O cordeiro seria abatido no Gólgota para remover o pecado do mundo, de modo que pobres pecadores como nós pudessem ser restaurados a nossa finalidade verdadeira: para glorificar, adorar, e ter comunhão com o Deus triuno. Como diz I João 1:3, “verdadeiramente nossa comunhão é com o pai, e com seu filho Jesus Cristo.”.

Deus trata com a raça humana através de aliança e liderança, ou da representação. Na vida diária, os pais representam as crianças, um pai representa sua esposa e crianças, os oficiais da igreja representam os membros da igreja, e os legisladores representam os cidadãos. Na vida espiritual, cada pessoa é representada pelo primeiro ou pelo último Adão (veja Romanos 5 e I Coríntios 15). Este princípio da representação aparece em toda parte nas Escrituras. Por exemplo, nós lemos sobre o guiar de Deus de Sete, de Noé, e de Jó oferecendo sacrifícios em favor de seus filhos (Gênesis 8:15-21; Jó 1:5). Deus organizou a raça humana através das famílias e das tribos, e tratou largamente com eles por meio da liderança do pai. Como disse Deus a Abraão, “em ti serão benditas todas as famílias da terra.” (Gênesis 12:3).

A economia mosaica continuou o princípio do pai representando a família na adoração e na comunhão com Deus. O livro de Números focaliza particularmente em Deus tratando de seus povos nos termos das famílias e das suas cabeças. O pai devia conduzir à família na adoração da Páscoa e instruir suas crianças do seu significado.

O papel da liderança do pai na adoração continuou durante toda a monarquia em Israel e nos dias dos profetas do Velho Testamento. Por exemplo, Zacarias predisse que quando o Espírito Santo fosse derramado em uma era futura, os povos O experimentariam como o Espírito de graça e de suplicas, movendo os, família a família, para um sincero e amargo lamento. As famílias particulares são nomeadas de acordo com seus cabeças e pais, a casa de Davi, de Levi, e de Simei (Zacarias 12:10-14).

A relação entre a adoração e a vida familiar continua no período do Novo Testamento. Pedro reafirmou a promessa feita a Abraão, o pai da fé (Romanos 4:11), quando ele declarou aos Judeus no seu sermão no Pentecostes que “Porque a promessa vos pertence a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe” (Atos 2:39). Também Paulo nos conta em I Coríntios 7:14 que a fé dos pais estabelece o status da aliança de santos, privilegiados, e responsabilidade sobre seus filhos. A igreja do Novo Testamento, que incluía crianças com seus pais como membros do corpo (Efésios 6:1-4), e a experiência de crentes individuais tais como Timóteo (II Timóteo 1:5; 3:15) afirmam a importância da fé e do culto com as famílias.

Como Douglas Kelly conclui, “Religião familiar, que muito depende do cabeça do lar guiando diariamente a família perante Deus em culto, é uma das estruturas mais poderosas que o Deus mantenedor da aliança tem dado para a expansão da redenção através das gerações, de forma que incontáveis multidões possam ser levados a comunhão através do culto” do Deus vivo na face de Jesus Cristo.

Extraído de http://www.monergismo.com/textos/familia_casamento/culto_familiar_beeke.htm

Anúncios

From → Diversos

2 comentários
  1. Será que alguma igreja tentou fazer uma estatística de quantos de nós, regenerados, fazemos nossos Cultos Domésticos? Será que nos envergonharíamos muito? Digo por mim. Como é difícil conciliar as atividades diárias com essa prática tão abençoada! Retomei recentemente, de forma ainda tímida, alguma leitura e oração – 5 minutos – antes de levar os meninos para a Escola. Tem dado certo. Bem pelo menos é um começo! Que Deus nos ajude!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: